OS MEIOS DE GRAÇA E A CRÍTICA SEM GRAÇA E SEM CONHECIMENTO TEOLÓGICO

Por Tony Sousa



Embora não exista a necessidade de provar coisa alguma aos homens (a minha fé não está firmada em homens, mas em Deus) mostrarei, todavia, que para todos os argumentos apresentados contra a ICM, haverá sempre uma resposta, ou na teologia sistemática pentecostal ou na teologia reformada e poucas coisas dentro do próprio calvinismo.

1 - Os meios de graça

Os meios de graça não foram inventados pela Igreja Cristã Maranata, como algumas pessoas estão afirmando, e pior, dizem tratar-se de uma heresia. Se é uma heresia terão de convencer os lideres das instituições abaixo, a eliminarem esta prática do seu ensino. Cabe mencionar que as denominações históricas já praticavam alguns dos chamados "meios de graça", antes do surgimento da Igreja Cristã Maranata. Este assunto é um verdadeiro feijão requentado, já foi tratado por outros blogueiros em 2012, mas como quem ataca quer usar qualquer coisa, toda noticia velha é válida. Mas agora serão desmascarados, com vídeos e artigos (alguns da denominação deles) para elucidar uma questão que já foi muito bem explicada, nos links citados neste parágrafo.

O número de "meios de graça" ou sacramentos (como são chamados em algumas denominações) tem variado muito no decorrer da história do evangelho.

Vejamos como a questão é vista em algumas denominações:

A - Os meios de graça na teologia do Mackenzie (IPB) (Os calvinistas também utilizam os meios de graça)
B - Calvino e os sacramentos (meios de graça) - (O número de sacramentos e a sua definição foi sempre variável na teologia dos reformadores).
C- Os meios de graça no monergismo (Monergismo significa na teologia cristã a doutrina de que o Espírito Santo sozinho pode atuar num ser humano e propiciar a conversão).


As questões tornam-se claras, quando os interesses pessoais são deixados de lado e a verdade é abraçada. Parece que os críticos da ICM não gostam da verdade, adoram a mentira e o jogo de interesses.

A web é uma terra de ninguém, o esconderijo perfeito dos lobos fantasiados de ovelhas, neste terrível ambiente os crentes incautos ainda param a sua caminhada para conversar com a serpente.

2 - Os inimigos dos meios de graça

Quem são e o que querem?

3 - A consulta a Deus pela palavra é um meio de graça


4 - Clamor pelo sangue de Jesus (acesso pleno a Deus)

Sempre foi praticado pelas denominações pentecostais e pela Igreja Cristã Maranata. Este link traz o clamor pelo sangue de Jesus à luz das escrituras e com base na história do Cristianismo. Alguns assembleianos se utilizam das práticas da ICM sem problema algum, veja um exemplo disto. Enquanto isso nós da ICM nos utilizamos das produções da CPAD, sem problema algum. Todas as doutrinas da ICM se enquadram perfeitamente na teologia sistemática pentecostal e aquilo que não se encaixar achará lugar na teologia reformada.

5 - Dois vídeos esclarecedores

Este vídeo não é da Igreja Maranata, mas talvez algum crítico terá a "cara de pau" de dizer que o palestrante aprendeu isso no Maanaim de Domingos Martins - ES, mesmo tendo ciência que a Editora Fiel (produtora do vídeo) é especialista em literatura reformada.





Será que o Ildo Mello aprendeu isso em algum Maanaim da ICM? É claro que não! Tanto no meio calvinista quanto no meio arminiano, o uso dos meios de graça são de extrema importancia para os servos de Deus que procuram maior intimidade com ele.



Há pessoas que ainda insistem em afirmar que existe apenas um "meio de graça": a fé. A teologia destes não veio de Genebra, possivelmente veio do Afeganistão ou da Disneylândia.